IEST - Instituto Educacional Santa Terezinha

Área Restrita



PAIS E PROFESSORES

AMOR NÃO É BISCOITO
Rosely Sayão

QUALIDADE DO SONO É QUALIDADE DE VIDA
Revista Nestlé com Você

COMPORTAMENTO DOS PAIS CAUSA DISTÚRBIOS DO SONO EM CRIANÇAS
Luciana Sobral, do Diário de S. Paulo

CYBERBULLYING, UM PERIGO REAL
Claudia Levy – Instituto Paramitas

A IMPORTÂNCIA DA FAMÍLIA NA EDUCAÇÃO DOS FILHOS
Professor Lilo Dorneles

QUANDO UM FILHO DIZ: MÃE, NÃO SE META NA MINHA VIDA!
Texto criado por um sacerdote

A ESCOLA
Paulo Freire

 

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

 

Agosto 16, 2017

Como evitar o piloto automático na educação?

Quando considerada um ambiente frio e estressante, a escola desestimula o prazer de ensinar e aprender, a convivência e o sonhar. Automaticamente, os planos e projetos são substituídos pela obrigação, pelo fardo e tédio de cumprir as tarefas pertinentes aos professores. O desânimo por conta da rotina e a falta de entusiasmo podem interferir até mesmo no desempenho de educadores considerados excelentes profissionais.

No momento em que a inércia toma conta, o “piloto automático da educação” é acionado. Além de prejudicar quem está ensinando, também interfere no processo de aprendizado dos alunos, os quais criam estereótipos e padrões que nem sempre se aplicam à realidade. Dessa forma, os sonhos e as missões ficam esquecidos.

Ao refletir sobre o desenvolvimento e a transformação humana, logo pensamos na escola, na sala de aula e no ensino-aprendizado. Por isso, é fundamental que a instituição de ensino e os professores compreendam quanto são importantes e fundamentais os seus papéis na no crescimento e evolução das pessoas. Frente às evidências, podemos optar por duas alternativas: aceitar que a educação e a escola são instituições em decadência, que não há nada a fazer; ou resgatar o grande potencial existente em cada um de nós, atuar de forma consciente, competente e motivada, repensar as relações e torná-las mais solidárias e cooperativas – tudo em busca de criar ambientes mais saudáveis e propícios à aprendizagem e ao desenvolvimento das potencialidades humanas, mesmo diante das dificuldades e dos desafios que vão surgindo no percurso.

É fundamental repensarmos sobre algumas práticas educativas e darmos ênfase ao aprender, ao ser, ao conviver, ao fazer. O desenvolvimento das competências pessoais, relacionais, cognitivas e produtivas é uma condição necessária para que o professor possa se conhecer melhor e, consequentemente, compreender o seu aluno. Assim, despertará o que há de melhor nele. Para isso, entender as competências abaixo se torna imprescindível:

Pessoal: é a habilidade de aprender a ser, a se reconhecer, a se aceitar, a se valorizar e a ampliar os conhecimentos acerca de si mesmo, a fim de superar medos e limitações, favorecer o resgate da autoestima e do autoconhecimento para o alcance da autonomia;

Autônoma: é a capacidade de pensar e decidir por si. É conhecer o ponto de partida e definir qual é chegada, comprometer-se com suas escolhas e assumir a responsabilidade pelos resultados;

Relacional: saber conviver é a habilidade de aprender a viver junto dos outros, com atitudes solidárias, cooperativas e construtivas;

Cognitiva: é o exercício de aprender a aprender, como forma de beneficiar-se dos conhecimentos, de compreender o mundo que nos rodeia, de desenvolver capacidades críticas, reflexivas e de discernimento;

Produtiva: é a arte do aprender a fazer, de pôr em prática os conhecimentos para saber fazer bem e eticamente um trabalho.

Essas são as bases para a expansão das possibilidades de perceber, reconhecer e construir uma nova abordagem de educação solidária, fundamentadas no desenvolvimento humano para compreender e aplicar cada competência de forma integrada e sinérgica.

Ao estimular a consciência com a prática do autoconhecimento e da autoconsciência, tiramos a “venda dos olhos” que nos impede de enxergar aquilo em que realmente acreditamos, buscamos e desejamos. E, assim, criamos a contribuição essencial para conquistar e estimular as pessoas capazes de aceitar esse compromisso enquanto educadores conscientes e responsáveis com a sua grande missão.

Quando falamos em ambientes saudáveis, cooperativos e solidários, em alunos e professores motivados e felizes, em despertar o que há de melhor no outro, na escola que desejamos e sobre nossos sonhos e expectativas, discutimos coisas que consideramos importantes e valiosas para a vida – e, portanto, necessárias para a educação, a escola, a relação professor-aluno. Seja a pessoa que fará toda a diferença na vida de alguém, no mundo que deseja deixar para seus filhos, netos e alunos.

Eduardo Shinyashiki é mestre em neuropsicologia e especialista em desenvolvimento das competências de liderança organizacional, educacional e pessoal. Com mais de 30 anos de experiência no Brasil e na Europa, é referência em ampliar o poder pessoal e a autoliderança das pessoas, por meio de palestras, coaching, treinamentos e livros, para que elas obtenham atuações brilhantes em suas vidas. Mais informações: www.edushin.com.br

Fonte: http://direcionalescolas.com.br/2017/08/16/como-evitar-o-piloto-automatico-na-educacao/